Perguntas Frequentes

As taxas cobradas para a remarcação de passagens emitidas por intermédio da Voe JÁ Turismo são:

VALOR DA MULTA DE REEMBOLSO (VOOS NACIONAIS)

Cia Aérea

Antes do embarque

*6hrs antes

Após o embarque

TAM

255,00

255,00

GOL

255,00

não é possível

AZUL

195,00

245,00

AVIANCA

155,00

195,00

 

Prazo para solicitar reembolso: AZUL 365 dias após a emissão, TAM,GOL e AVIANCA 45 dias após a emissão. Após este prazo NÂO é possível reembolso.

Para cancelamentos de passagens AVIANCA, a solicitação deve ser realizada até 4 horas antes do voo.

Valores aplicados por trecho e passageiro.

 

VALOR DA MULTA DE CANCELAMENTO (VOOS INTERNACIONAIS)

Cia Aérea

Antes do embarque

Após o embarque

TAM

845,00

945,00

GOL

255,00

não é possível

AZUL

845,00

945,00

 

Prazo para solicitar reembolso: TAM, GOL e AZUL 60 dias após a emissão.

Após este prazo não é possível reembolso.

Valores aplicados por trecho e passageiro.

 

Para realizar o pedido de remarcação, encaminhe o e-mail com o número do seu pedido inicial para contato@voejaturismo.com , informando o novo voo desejado na remarcação (deve ser da mesma companhia aérea).

Dúvidas frequentes: 

Por que são cobradas taxas para cancelamento ou remarcação de passagens?

As taxas são cobradas pela Voe Já Turismo, já que as mesmas são repassadas para a companhia aérea, e a nossa intermediação pelo serviço continua sendo prestada. Tarifas promocionais não permitem reembolso sem custos.

Porque não se pode desistir das passagens em até 7 dias sem custos? (Artigo 49 do Código de Defesa do consumidor)

O Artigo de Desistência não é aplicável à compra de passagens aéreas porque a passagem aérea não é um produto que permita contato direto, seja na compra em lojas físicas ou à distância (internet, telefone). No ato da compra, o passageiro deve estar ciente de todos os procedimentos e taxas cobradas pelas agências e companhias aéreas, pelos termos de uso e as políticas de cancelamento. Ou seja, ao aceitar o termo e finalizar a compra, o consumidor está totalmente informado do funcionamento.

Dicas:

Para ter uma viagem tranquila, sem cancelamentos, desistências ou mudanças de datas, certifique-se de que os dados estão corretos antes de fechar a sua compra. Não deixe de ler atentamente os termos de uso e políticas de cancelamento. Evite qualquer tipo de problema futuro!

Lembramos que a Voe Já reza pelo relacionamento com os seus clientes e sua satisfação é de extrema importância para nós. Permanecendo dúvidas, não deixe de nos consultar.

Conforme regras descritas pela Agência Nacional de Aviação Civil, é terminantemente proibido a alteração do nome do passageiro após a emissão do bilhete; regra que é inerente a todas as companhias aéreas que trafegam nos aeroportos brasileiros. Caso o seu bilhete ainda não tenha sido emitido, cancelaremos o pedido e o usuário deverá fazer um novo pedido com o nome correto.

Para viagens nacionais é permitido que o passageiro despache 1 (um) volume de até 23kg, e embarcar com 1 (um) volume de mão com até 5 kg. Em viagens internacionais é permitido que o passageiro despache até 2 (dois) volumes de até 32kg, e embarcar com 1 volume de mão com até 7kg.

Crianças que tenham de 12 anos em diante, podem embarcar normalmente, basta apresentar na hora do check-in o RG e o bilhete aéreo. Para crianças menores de 12 anos, caso viaje sozinha, é necessário que viaje com documento de identificação original com foto, em condições acordadas com a Cia Aérea,e autorização pelo Juízo da Vara da Infância e do Adolescente. Caso esteja viajando com somente um dos pais, é necessário autorização firmanda em cartório pelo pai ou mãe ausente na viagem, ou responsável legal pela criança. Viajando com pessoa responsável pela criança, é necessário que os dois pais autorizem a viajem do menor.

Sim, porém só é possível através de nossa central de atendimento telefônico, pois isso garante a segurança de que nenhuma criança ou menor faça uma compra indevida através da internet, de modo que não saberemos a veracidade do pedido tampouco ressarciremos o valor ao dono do cartão usado pelo menor.

Para o transporte de animais, o passageiro deve nos consultar previamente. Em geral, animais vivos podem ser transportados em aeronaves não cargueiras, em compartimento destinado a carga e bagagem. Admite-se o transporte de animais domésticos (cães e gatos) na cabine de passageiros, desde que efetuado com segurança, em embalagem apropriada e sem acarretar desconforto aos demais passageiros. Também é permitido, na cabine de passageiros, o transporte de cão treinado para conduzir deficiente visual ou auditivo. O passageiro deve apresentar atestado de saúde do animal, fornecido pela Secretaria de Agricultura Estadual, pelo Posto do Departamento de Defesa Animal ou por médico veterinário.

Dependendo do país de destino são necessários determinados procedimentos como solicitação de visto de entrada, aplicação de vacinas, aquisição de seguro viagem específico, confirmação e declaração de hospedagem, entre outros procedimentos. Para mais informações, encontre em contato com nossos canais de comunicação.

Nossa empresa emite passagens aéreas utilizando o sistema de milhas, deste modo, sempre que a quantidade de milhas necessárias para emitir uma passagem aérea esteja baixa, consequentemente o valor final que repassamos aos nossos clientes também será mais baixo do que o praticado diretamente no site da Cia Aérea. 

Para mais informações a respeito do processo de emissão de passagens aéreas consulte nosso Termo de Compra.

 

Se você realizou um pedido em nosso site e não recebeu sua reserva em um prazo de 2 horas, verifique o status de seu pagamento.

Caso seu pagamento tenha ocorrido via Boleto Bancário ou Trabnsferência, você deverá nos enviar o comprovante por e-mail.

Pagamentos via Cartão de Crédito, estarão sujeitos a aprovação da compra por nossa integradora de recebimentos MOIP, caso tenha seu pagamento cancelado ou ainda não tenha sido aprovado e queira entrar em contato para obter mais informações ligue (11) 3165-4020.

Atenção: A Voe Já somente emite sua passagem após a confirmação do pagamento, caso o valor de sua passgame sofra alteração do momento da compra até a aprovação do seu pagamento, você terá a opção de complementar a diferença ou solicitar a restituilção do valor. 

Segundo dados do Banco Central, somente em 2014, os brasileiros deixaram de resgatar 53,4 bilhões dos pontos gerados nos programas de relacionamento dos cartões de crédito, o equivalente a 24% da pontuação obtida nesse mesmo ano, que corresponde ao dobro do percentual apurado em 2010 pela mesma instituição. Dos 992 bilhões de milhas adquiridos com cartões de crédito entre 2010 e 2014, dois terços foram destinados a passagens aéreas e bens de consumo, enquanto uma média de 17% expirou frente ao prazo de validade ou ao cancelamento do próprio cartão.

Os contratos dos programas de fidelidade apresentam uma cláusula que alega que as milhas são de propriedade da empresa fornecedora das milhas (companhia aérea ou programa de fidelidade) e não do consumidor, que está adquirindo-as. Portanto, segundo essa cláusula, o consumidor não pode vender, doar, nem exercer direito de herança sob as milhas, podendo, apenas, utilizá-las para resgatar um produto das empresas parceiras do programa. Mas no fim não é ilegal comercializar milhas aéreas, pois não existe nenhuma lei que proíba essa prática.

Essa cláusula fazia sentido na criação dos programas de milhagem, tendo em vista que, logo no início, as milhas eram de fato, cedidas aos consumidores como forma de recompensar sua fidelidade ao embarcar em um voo da companhia aérea. Era um benefício fornecido de forma gratuita. No entanto, com o passar dos anos, essas empresas alteraram seu modelo de negócio e isso precisa ser levado em consideração.

A primeira grande mudança aconteceu depois que esses programas firmaram parcerias com os bancos, que começaram a comprar as milhas para repassa-las aos seus clientes. Aí elas passaram a ser vendidas para outras empresas, que revendiam aos seus consumidores como um produto agregado e não mais como carta de fidelidade.

Atualmente, as companhias aéreas embutem o preço das milhas até no valor da passagem de seus próprios voos – é por isso que, hoje em dia, em voos muito baratos o passageiro não tem direito ao acúmulo de milhas. Esse mercado evoluiu de forma que os programas de milhagem das duas maiores companhias aéreas do Brasil, antes compostos por pequenos departamentos, se emanciparam, tornando-se empresas independentes, que vivem com lucros maiores do que as próprias companhias aéreas por meio da venda de milhas.

Hoje já é possível que o consumidor compre as milhas propriamente ditas, sem que seja um produto agregado a algum serviço, diretamente no site das companhias aéreas ou dos programas de fidelidade. Assim, existe uma relação onerosa muito clara na relação do consumidor e dos programas de fidelidade.

Pelo direito do consumidor, contratos que apresentam uma relação onerosa entre consumidor e iniciativa privada não comportam cláusulas de inalienabilidade. Como poderia então uma empresa vender um produto e sustentar uma cláusula que afirme que o direito de propriedade desse produto continua sendo da empresa e não do consumidor que o adquiriu?

Baseada nesse contexto, as milhas são sim propriedade do consumidor final, o qual pode vende-las, se for de interesse próprio – o que não omite o fato de que se necessita sim de uma legislação específica para essa prática.

 

Voos nacionais  – Nas aeronaves com mais de 31 assentos, cada passageiro (adulto ou criança) tem direito a 23 Kg de bagagem(franquia de bagagem) de acordo com a legislação brasileira. Pode-se despachar mais de um volume (mala, mochila, pacote, etc.) , desde que o peso total não exceda esse limite. Caso o peso ultrapasse a franquia, o transporte de sua bagagem ficará sujeito à aprovação da empresa e a cobrança de taxa por excesso de peso. Artigos esportivos em geral (prancha de surfe, bicicleta, etc), instrumentos musicais e outros tipos de bagagem especial deverão ser incluídos na franquia.

Voos internacionais – Dependendo do país de destino, a franquia de bagagem pode ser de dois tipos: peça ou peso. Na franquia por peça, cada passageiro terá direito a transportar duas bagagens, de até 32 kg cada. Para saber as dimensões permitidas para o transporte de sua bagagem e, também, sobre bagagens de crianças de colo, consulte a empresa aérea.
Na franquia por peso, cada passageiro terá direito a  transportar bagagens que não excedam, no total:
• 40 kg na primeira classe.
• 30 kg em classe intermediária.
• 20 kg em classe econômica.
• 10 kg para crianças de colo, que não estejam ocupando assento.

Esteja atento para não passar os limites, pois isso acarreta o pagamento de taxas. Além disso, não se esqueça que em voos domésticos – no Brasil ou no exterior, a quantidade é sempre menor – lembre-se disso quando planejar deslocamentos na Europa ou Estados Unidos, por exemplo. A regulamentação brasileira vale para voos que saem do Brasil ou que foram comprados aqui (ida e volta). Para os voos que saem de outros países, aplicam-se as normas do local de origem da viagem.

Bagagem de mão

Além da bagagem despachada, o passageiro tem direito a levar consigo uma bolsa, mala ou mochila com pertences pessoais e itens de valor, como dinheiro, aparelhos eletrônicos, remédios, etc. É a chamada bagagem de mão. Na hora do check-in, essa bagagem pode ser pesada ou medida pela companhia, conforme os limites estabelecidos pela lei. Depois, no momento do embarque e na chegada a outros países, ela passa por raio-X e pode ser inspecionada pela polícia. A bagagem de mão deve ser acomodada no compartimento de bagagem (acima da poltrona do avião) ou sob o assento. Vale destacar: dinheiro, documentos, aparelhos eletrônicos, jóias e demais itens de valor jamais devem ser despachados, mas sempre levados na mala de mão.

Os limites da bagagem de mão são definidos por critérios de segurança para atender ao peso máximo de decolagem do avião e ações preventivas de segurança a bordo. Em voos domésticos, a bagagem não pode ser maior que 115 cm (considerando altura + comprimento + largura) e o peso máximo é de 5 kg. Caso exceda essa especificação, a companhia aérea poderá exigir que a bagagem não viaje com você e seja despachada. Muitas vezes há uma guia de metal no aeroporto, para a medida da mala. Os voos internacionais dependem da companhia, mas geralmente a restrição de volume é a mesma, mas o peso varia.

Bagagem de avião

 

Login

Recuperar Senha